{ “JSON”:”Everywhere!” }

Hoje gostaria de escrever sobre o formato de transmissão de dados JSON (JavaScript Object Notation).

Como o nome já diz, este padrão é baseado na mesma especificação sobre a qual a linguagem de programação Javascript é construída. (Se quiser aprofundar nos detalhes de como uma linguagem de programação é especificada e implementada, sugiro os links da própria página do JSON – não me responsabilizo por sua sanidade mental! 🙂 ).

A publicação deste formato é relativamente recente (1ª edição de Outubro de 2013), mas devido às suas qualidades e da grande difusão do JavaScript, principalmente por causa da Web, já está muito disseminado. Diversas API‘s e WebServices já servem seus dados exclusivamente em JSON; outras ainda mantém a diversidade, utilizando também o XML, já mais consolidado.

Uma de suas grandes vantagens também é ser independente de linguagem de programação, principalmente por manipular estruturas de dados comuns à todas basicamente todas elas, como vetores , dicionários, hashes, mapas, registros, objetos, etc. Ela permite usar estas estruturas organizando-as em pares chave/valor, podendo misturá-las conforme for necessário.

Tudo inicia e termina com chaves ({}). Dentro delas são indicados seus pares chave/valor. Cada chave/valor é separado por dois pontos (:) e se encontra entre aspas (“”), não sendo necessárias para números. Cada elemento de um vetor é separado por vírgula (,).

Cada chave e valor podem “ser” apenas um elemento, como um número ou uma sequência de caracteres. Mas nada impede deste também ser um vetor, com diversos elementos, ou até mesmo um novo objeto JSON completo!

Por exemplo, digamos que você deseja representar endereços completos no formato JSON. Uma possibilidade seria esta:

 {  
   "id":1,  
   "endereco_completo":
   [  
     {  
       "tipo":"comercial",  
       "tipo_logradouro":"rua",  
       "nome":"da saudade",  
       "numero":1234,  
       "complemento":"",  
       "bairro":"Nostalgia",  
       "cidade":"São Paulo",  
       "Estado":"SP",  
       "pais":"Brasil"  
     },  
     {  
       "tipo":"residencial",  
       "tipo_logradouro":"rua",  
       "nome":"do espeto",  
       "numero":789,  
       "complemento":"apto 1 bloco 2",  
       "bairro":"Singelo",  
       "cidade":"São Paulo",  
       "Estado":"SP",  
       "pais":"Brasil"  
     }  
   ]  
 }  

 

No exemplo acima demonstro isso. O objeto “Endereço”, contém uma chave “id”,  com valor 1. Já o endereço, contém um vetor (afinal podemos querer armazenar mais de um endereço, certo?), e cada elemento deste array é um objeto JSON, com as diversas chaves/valores necessários para descrever o endereço completo.

Note que todo o vetor é apenas o valor da chave “endereco_completo”!

Gosto muito deste padrão e não tenho dúvidas que devemos apostar em seu aprendizado. Claro que se você constrói sistemas que precisam se comunicar com outros que apenas “entendem” XML como formato de transmissão dos dados, não tem escapatória. Mas tornar sua aplicação JSON-friendly ainda é o mais indicado, pois lhe trará grande flexibilidade no desenvolvimento, poderá usar tranquilamente o padrão REST, transitará menos dados na rede (local ou não) e facilitará muito a leitura destes dados também por humanos (clientes, outros desenvolvedores e quem mais precisar).

E você, já conhecia o padrão JSON? Já utilizou em algum desenvolvimento? Qual sua opinião sobre ele?

Deixe aqui seus comentários e até o próximo post! 🙂

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s